Foto: Emerson Nunes/ Arquivo/ Política Livre
Robinson Almeida vai concorrer a deputado federal 20 de dezembro de 2013 | 08:44

Robinson é um dos prediletos de Wagner para 2014

exclusivas

A decisão do governador Jaques Wagner (PT) de deixar apenas Otto Alencar (Infraestrutura) e Rui Costa (Casa Civil) no governo até abril, prazo final de desincompatibilização, deixou muito secretário e alguns partidos contrariados. Por decisão de Wagner, todos os demais secretários que serão candidatos – algo em torno de 20, um número verdadeiramente excepcional – terão que se desincompatibilizar agora em janeiro.

Fonte próxima ao governador, que se reuniu ontem com a imprensa para a confraternização de fim de ano, diz que ele só lamentou ter deixado na linha de corte, com a medida, o secretário estadual de Comunicação, Robinson Almeida. A eleição de Robinson a deputado federal é considerada das mais difíceis, motivo porque Wagner gostaria de ajudá-lo, mantendo-o mais tempo no governo, como já está fazendo com Rui e com Otto, mais para que este ajude o primeiro.

Wagner tem predileção por seu secretário de Comunicação. Peitou sua indicação para o cargo apesar de ele nunca ter alisado um banco de Comunicação. É engenheiro da área elétrica. Exclusivamente por formação, se fosse bom, conseguiria apenas evitar um curto-circuito nas instalações da então Agência de comunicação estadual. Com a medida radical, o governador perpetrou uma das maiores cooptações internas de que se tem notícia no PT baiano.

Robinson se destacou no partido como figura ligada ao senador Walter Pinheiro. E era assim até ser chamado para o desafio de chefiar a então Agecom, que depois transformou em secretaria. Num cargo para o qual não tinha gabarito específico, foi obrigado, naturalmente, a se aproximar muito mais de Wagner. E optou pelo governador quando teve que se decidir entre ele e Pinheiro.

O maior exemplo disso foi agora, quando o senador tentava disputar a vaga de candidato ao governo no PT. Robinson ficou com Rui Costa, candidato de Wagner, contra Pinheiro. Wagner ficou ainda mais fã de Robinson. No partido, todo mundo sabe que o governador não gosta de Pinheiro. No máximo, o tolera. E, do jeito que é bom em cálculos, como Robinson também deve ser, já que é engenheiro, Wagner deve ter pensado desde o início que era melhor Robinson ficar com ele.

Leia também: Wagner quer Rui e Otto em campanha com máquina na mão

Raul Monteiro
Comentários