Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Plenário da Câmara durante votação, em 1° turno, do texto-base da reforma da previdência 12 de julho de 2019 | 17:17

Petistas reagem a críticas de Otto por voto contra reforma da previdência

bahia

Os deputado federais Afonso Florence e Valmir Assunção rebateram, nesta sexta-feira (12), as críticas feitas pelo senador Otto Alencar (PSD) que chamou de “incoerentes” os deputados baianos do PT, PCdoB e PSB por votarem contra o texto-base da reforma da previdência na Câmara dos Deputados. O motivo, segundo o senador, é que os deputados estaduais dos mesmos partidos votaram a favor do projeto com mudanças na previdência enviado pelo governador Rui Costa (PT) à Assembleia Legislativa da Bahia no ano passado.

Sobre o ataque do “fogo amigo”, Florence subiu o tom contra Otto. “Votei contra a reforma da previdência com convicção absoluta, e seguindo a orientação consensual do meu partido o PT. Tenho argumentos políticos e técnicos que justificam meu voto. Entretanto, a responsabilidade do meu voto é exclusivamente minha.” Já Walmir afirma que votou contra em respeito a seus eleitores. “O senador Otto sabe que desde a primeira reunião, que foi feita para debater com deputados federais, senadores e o governador, eu me posicionei contra a reforma da previdência, porque fiz campanha dizendo isso e não fui eleito para votar numa reforma que tira direito do povo. Não foi isso que eu disse na campanha, ao contrário, disse que defenderia o direito do povo, defenderia o direito à aposentadoria e que, portanto, jamais aprovaria ou votaria a favor da reforma perversa de Bolsonaro”, frisa Valmir.

Os parlamentares petistas argumentam que não há como fazer analogia entre as duas propostas, já que o projeto enviado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) retira direitos já adquirido pelos trabalhadores brasileiros. “A reforma de Bolsonaro acaba com o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) e ataca os direitos dos trabalhadores públicos”, ressalta Florence. “A medida aprovada em primeiro turno ataca as mulheres, ataca o trabalhador rural, afeta as viúvas que têm direito a pensão por morte, e ataca quem recebe até dois salários, que poderão nunca se aposentar. Tentamos amenizar nos destaques, mas nem todos foram aprovados. O que se desenha para o próximo período é uma hecatombe social, com a produção de uma população que ficará idosa e na miséria”, completa Valmir.

Dos 39 parlamentares que formam a bancada baiana em Brasília, 25 votaram a favor e 13 contra o texto-base da reforma da previdência. O deputado Bacelar (Podemos) foi o único parlamentar baiano que não compareceu ao plenário para votação.
Além de Florence e Valmir, também votaram contra os deputados federais Alice Portugal (PCdoB), Daniel Almeida (PCdoB), Félix Mendonça Jr. (PDT), Jorge Solla (PT), Joseildo Ramos (PT), Lídice da Mata (PSB), Marcelo Nilo (PSB), Mário Negromonte Jr. (PP), Nelson Pelegrino (PT), Waldenor Pereira (PT) e Zé Neto (PT).

Raiane Veríssimo
Comentários