Edis cobram posicionamento do prefeito, de forma que grupo não pague o preço nas urnas 09 de outubro de 2019 | 16:25

Vereadores culpam Kaio Moraes por parte dos problemas da articulação política de Neto

exclusivas

Não apenas a alegada falta de traquejo do líder do governo, vereador Paulo Magalhães Júnior (DEM), seria o motivo para a divisão hoje explícita na base de apoio ao prefeito ACM Neto (DEM) na Câmara de Salvador. Um personagem, até então, oculto, ganha fama de persona non grata entre os edis e, conforme informações chegadas a este Política Livre, seria um dos principais motivos para as insatisfações, pois atende a todos sorrindo, não diz um não, porém na prática nada, absolutamente nada, estaria saindo do papel.

O título é atribuído ao Chefe de Gabinete do prefeito, Kaio Moraes, que hoje não está filiado a nenhum partido, mas não descarta tentar uma vaga no Parlamento municipal em 2020. Conforme revelado à reportagem, a fama dele de ‘mau colega’ tende a respingar, no entanto, na eventual candidatura do vice-prefeito Bruno Reis (DEM) para a sucessão de Neto. “Ele atualmente é tido como o maior desagregador para Bruno, pior cabo eleitoral do vice-prefeito. Não atende os pedidos dos vereadores, apesar de não falar, é o homem do não, trata todo mundo muito bem, mas nada sai do papel”, resumiu uma fonte com elevado trânsito no Palácio Thomé de Souza.

Uma outra foi ainda mais longe ao frisar que Moraes, já apelidado de Sargento Pincel pela sua postura de mão de ferro, estaria a serviço do deputado federal João Roma(PRB), que também é duramente criticado. “Esse foi eleito em meio a muitos beijos e hoje não libera nem uma emenda para um campo de futebol”, disparou um governista, cobrando um posicionamento do gestor soteropolitano, de forma que o grupo não se disperse ainda mais e pague o preço nas urnas. “Pois, do jeito que está, podemos ser atingidos em cheio nas eleições que falta tão pouco para ocorrer”, ponderou.

Em conversa com o Política Livre no Cortejo Dois de Julho, o chefe de gabinete do prefeito, desconversou sobre uma possível candidatura, mas também não negou. “Eu fico feliz por ser lembrado pelo prefeito ACM Neto, mas não tem nada certo. Acho que este ano precisamos trabalhar, cada vez mais, por Salvador e é prematuro falar sobre as eleições que só acontecerão no ano que vem”, disse na ocasião. Moraes acompanhará o prefeito em viagem internacional, onde participarão da conferência do Grupo C40 de Grandes Cidades para a Liderança Climática, em Copenhague, na Dinamarca, e da cerimônia de Canonização de Irmã Dulce, que acontece no próximo dia 13, no Vaticano.

Fernanda Chagas
Comentários