29 de novembro de 2019 | 21:55

Ataque na Ponte de Londres: suspeito matou 2 antes de ser morto pela polícia

mundo

Duas pessoas foram mortas e várias ficaram feridas por um esfaqueador na Ponte de Londres antes de ele ser contido pelos que passavam no local e, depois, morto pela polícia. O episódio que ocorreu no centro da capital britânica nesta sexta-feira, 29, está sendo tratado pelas autoridades do Reino Unido como um ataque terrorista.

Segundo uma agência de notícias Associated Press, citando fontes de segurança, o agressor, cuja identidade não foi revelada, era conhecido da polícia e tinha vínculos com “grupos terroristas islâmicos”.

A polícia foi alertada a respeito de um esfaqueamento pouco antes das 14h (horário local) em um local próximo da ponte, cenário de um ataque mortal de militantes islâmicos dois anos atrás.

Meia dúzia de pessoas que passavam pelo local derrubou o suspeito no chão e agarrou sua faca. Um vídeo publicado no Twitter mostra policiais afastando um homem do suspeito à força e em seguida outro policial fazendo mira cuidadosamente. Ouvem-se dois tiros e o suspeito para de se mexer.

“Um suspeito do sexo masculino foi baleado por agentes armados especializados da polícia da cidade de Londres, e posso confirmar que este suspeito morreu no local”, disse Neil Basu, principal autoridade de contraterrorismo do Reino Unido, aos repórteres.

As autoridades também informaram que o suspeito carregava um falso dispositivo explosivo. O prefeito de Londres, Sadiq Qhan, disse que entre os feridos no ataque havia pessoas em estado grave.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, no meio da campanha eleitoral, voltou a Downing Street e foi inteirado do incidente. Ele convocou uma reunião de gabinete de crise na noite desta sexta.

O premiê deve receber líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), incluindo o presidente americano, Donald Trump, na semana que vem. A cúpula será realizada nos dias 3 e 4 de dezembro. O Reino Unido vai às urnas em 12 de dezembro para eleger um novo Parlamento.

“Este é um incidente horrível, e todos meus pensamentos estão com as vítimas e suas famílias”, disse Johnson em um comunicado. “Quero agradecer os serviços de emergência e os membros do público por sua bravura imensa”.

Estadão Conteúdo
Comentários