Foto: André Dusek/Estadão
Antonio Palocci 13 de novembro de 2019 | 06:49

Médicos, ex-deputado e Palocci socorreram colegas em cadeia da Lava Jato

brasil

Roberto Prisco Ramos, ex-diretor da Odebrecht Óleo e Gás preso na fase Xepa (2016) da Lava Jato, começou a se queixar durante a noite de fortes dores de cabeça e mal-estar, na cela em que cumpria prisão temporária na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

Os colegas perceberam que ele suava muito e decidiram chamar o agente penitenciário de plantão. Na sede da PF, porém, o carcereiro não fica o tempo todo no corredor em frente às celas. Os presos berravam, mas o agente não ouvia. Naquele momento, ele corria na esteira com fones de ouvido e com a TV ligada.

Prisco Ramos sofria, segundo laudos médicos, de “grave hipertensão lábil, reativa a estresse emocional”, que é o aumento brusco e acentuado da pressão arterial causado por uma carga de estresse emocional, um quadro que pode levar a um ataque cardíaco ou a um acidente vascular cerebral.

Para piorar, ele ainda havia sido diagnosticado com câncer de próstata. À medida que o tempo passava, o executivo piorava. Quando, enfim, o agente percebeu a gritaria na carceragem, ele correu para soltar Pedro Corrêa —ex-deputado ​pelo PP e médico— para que este pudesse prestar socorro ao vizinho de cela.

O ex-parlamentar, condenado a 20 anos e 7 meses por corrupção, primeiro conferiu a pressão arterial do executivo da Odebrecht. O medidor anotou 23 por 15. Era uma marca muito acima da considerada ideal, que gira em torno dos 12 por 8. Pedro Corrêa então pediu água aos agentes. Fez o colega tomar três comprimidos de Isordil para baixar a pressão e uma cápsula de ansiolítico para acalmá-lo.

“Chame o Samu, o homem não está bem”, disse ao carcereiro. A intervenção do ex-deputado ajudou a estabilizar o quadro até a chegada ao hospital.

Na cadeia, Pedro Corrêa voltou a exercer a medicina, o que não fazia desde que saíra da faculdade. Antonio Palocci, ex-ministro em governos do PT e que também é médico, fez o mesmo após ser preso, condenado a 9 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Os dois medicavam colegas e socorriam os que passavam mal.

Os casos dos atendimentos dos dois médicos condenados na Lava Jato estão no livro “A Elite na Cadeia – O dia a dia dos presos da Lava Jato”, escrito pelo jornalista Wálter Nunes, repórter da Folha.

A obra, da editora Objetiva e que chega às livrarias no próximo dia 22, retrata o cotidiano na prisão dos principais alvos da maior operação de combate à corrupção do país.

Nas 278 páginas estão episódios envolvendo também o ex-presidente Lula, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o ex-governador Beto Richa e vários outros personagens célebres presos pela Polícia Federal.

As histórias se passam nas duas prisões do Paraná que abrigam presos da Lava Jato. Além da sexta galeria do Complexo Médico Penal, em Pinhais, também é palco de histórias do livro a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, onde ficam delatores da operação, e a cela especial onde o ex-presidente Lula cumpriu pena de abril de 2018 até a última sexta (8).

Tanto Corrêa quanto Palocci ficaram períodos nesses dois lugares. Em ambos, fizeram da cela uma pequena farmácia com remédios para atender os colegas. Recebiam demandas corriqueiras. Palocci deu um colírio para aliviar uma ardência no olho de Eduardo Cunha e receitou um remédio que faria nascer cabelo em Renato Duque, ex-diretor da Petrobras. No caso de Duque, não funcionou.

Folha de S.Paulo
Comentários