Foto: Marcos de Paula/Estadão
06 de novembro de 2019 | 12:44

Só Petrobras aposta no megaleilão; arrecadação é 30% menor que a prevista

economia

Sem concorrência e com lance mínimo, consórcio formado por Petrobras e as chinesas CNOOC e CNODC venceu leilão para explorar a maior descoberta de petróleo do país. Foi a única oferta da primeira área do megaleilão do pré-sal que está sendo realizado nesta quarta (6).

O consórcio pagará R$ 68,2 bilhões pelo direito de explorar petróleo na área. Nos leilões de pré-sal, o bônus de assinatura é fixo e a disputa se dá pela oferta de petróleo ao governo durante a vida útil dos contratos.

A Petrobras foi a única a ofertar para a segunda área, Itapu, também com o percentual mínimo de petróleo estabelecido no edital (18,15%).

Não houve lance por Sépia, a terceira área que foi oferecida, nem por Atapu, a quarta e última.

Ao final, o leilão arrecadou R$ 69,8 bilhões, valor inferior aos R$ 100 bilhões projetados inicialmente, e a quantia será majoritariamente desembolsada pela Petrobras. Os chineses que serão parceiros em Búzios vão entrar com apenas 10% do total, menos de R$ 7 bilhões.

Já no início do leilão, o mercado financeiro reagiu mal a preponderância da estatal e a ausência das grandes petroleiras privadas.

As ações ordinárias da Petrobras despencaram num breve período de dez minutos. Foram de uma alta de 3%, quando se iniciava a apresentação do leilão, para uma queda de mais de 3% logo após a divulgação do resultado de Búzios, a primeira área. Já as preferenciais também avançavam mais 3% e recuaram a mais de 1% com a divulgação.

Pouco depois do meio-dia, os papeis se recuperavam.

A Petrobras, que já tem direito a produzir na área de Búzios, tem 90% do consórcio vencedor. As duas chinesas dividem igualmente os 10% restantes. Isso significa que a estatal pagará 90% do bônus. Eles se comprometeram a entregar ao governo 23,24%, o mínimo estabelecido no edital.

​Localizada na Bacia de Santos, Búzios é considerada a maior descoberta brasileira de petróleo, com reservas que podem chegar a 13 bilhões de barris, quase o mesmo volume que o Brasil tem hoje em reservas provadas.

A área já tem quatro plataformas em operação e produziu, em setembro, 406 mil barris de petróleo por dia. Foi a segunda maior produtora do país, atrás apenas de Lula, também na Bacia de Santos.

A Petrobras já tinha exercido direto de preferência também por Itapu, que tem bônus de assinatura de R$ 1,766 bilhão, o que garantiria ao governo ao menos R$ 70 bilhões em arrecadação.

Folha de S.Paulo
Comentários