Foto: Fernanda Chagas/Política Livre
ACM Neto, prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM 05 de dezembro de 2019 | 18:28

“Leo é de maior e vacinado”, diz ACM Neto sobre pedido de desfiliação de secretário

exclusivas

O prefeito ACM Neto minimizou, na tarde desta quinta-feira (5), o pedido de desfiliação do DEM por justa causa feito pelo secretário municipal de Saúde, Léo Prates. O deputado estadual licenciado alegou que vem sendo retaliado há pelo menos 2 anos por filiados e membros dos diretórios municipal e estadual do partido, que são comandados pelo ex-deputado estadual Heraldo Rocha e deputado federal Paulo Azi, respectivamente. O documento foi entregue pelo seu advogado ao diretório estadual do DEM, na última segunda (2), e o partido tem o prazo de 5 dias para apresentar uma resposta.

“Primeiro, eu não conheço o teor do pedido. Segundo, esse assunto está sendo comentado pelo próprio secretário Léo Prates. Terceiro, pelo que eu soube, a partir do próprio presidente Paulo Azi, não se falou em perseguição e sim contradição e divergência de natureza ideológica, de pensamentos partidários. Então, não adianta quererem encontrar chifre em cabeça de cavalo, porque não vai acontecer”, ponderou o presidente nacional do DEM.

Provocado pelo Política Livre de que o próprio ofício de Prates elenca as supostas “retaliações”, o prefeito admitiu ter sido apenas informado por Prates da sua decisão e que ele não tem nenhuma responsabilidade à cerca disso.

“Essa é uma decisão que cabe exclusivamente ao secretário, é uma iniciativa dele, que eu tenho que respeitar. É óbvio que antes de fazer ele me consultou. Na verdade, me informou que faria. Eu disse a ele: ‘olha, é uma decisão sua, você é de maior e vacinado e sabe o que deve ou não fazer. Então, essa é uma decisão dele, eu não tenho nenhum tipo de responsabilidade”, pontuou Neto, negando, entretanto, qualquer mudança na relação de aliado, ainda que o secretário se filie ao PDT.

O gestor soteropolitano, por sua vez, negou de forma enfática ter fechado acordo com o vice-presidente do PDT com vistas em 2020. Ciro Gomes afirmou em entrevista que o PDT lançaria um candidato para concorrer à eleição para prefeito de Salvador em 2020, com o Democratas completando a chapa na vice.

“Eu não vi essa declaração de Ciro, apenas vi um comentário na imprensa e não houve essa conversa. A gente está construindo um entendimento com o PDT, isso é de conhecimento público. Eu venho conversando com o presidente [Carlos] Lupi, tenho o maior respeito pelo partido, inclusive, no plano nacional. É natural e legítimo que o PDT postule a prefeitura, como qualquer outro partido como o Democratas também, e no momento certo, vamos saber construir um projeto comum. É claro que aqui ninguém está pra impor nada, eu não escolhi ainda meu nome. Quando o nome for escolhido e anunciado, nós aí vamos sentar com os demais partidos pra gerar uma convergência em torno desse projeto comum. Até lá tudo pode acontecer”, disse o prefeito.

Por fim, ele descartou a possibilidade de mal-estar em sua grupo com base na denúncia de Prates de que o nome do vice-prefeito Bruno Reis (DEM) estaria sendo propagado como pré-candidato da legenda sem os devidos debates. “Em absoluto”, concluiu.

Fernanda Chagas e Raiane Veríssimo
Comentários