Foto: Max Haack/Secom PMS
17 de janeiro de 2020 | 07:48

Secretário rasga elogios ao novo programa do MEC: ‘Projeto que nasce para dar certo’

salvador

O secretário municipal de Educação da cidade de Salvador, Bruno Barral, rasgou elogios ao programa “Conta pra Mim”, lançado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, em dezembro do ano passado. A iniciativa do MEC tem como objetivo incentivar a leitura de crianças no ambiente familiar.

Em entrevista exclusiva ao site Política Livre, nesta quinta-feira (16), Barral afirmou que “é um projeto que nasce para dar certo”. “Acho que, pela primeira vez, eu tenho visto um projeto interessante de fomento à leitura e de estimulo às crianças da creche, pré-escola e nos primeiros anos do ensino fundamental. É um projeto que nasce com um mascote bem bacana. Eu vi que vai ter uma peregrinação em algumas cidades do Brasil e acho que é válido, nesse momento, você estimular a leitura desde a tenra idade, mesmo com as crianças que não saibam nem ler ou escrever”, avaliou.

“Os pais estando junto com eles contando e conversando faz com que eles ganhem o prazer da leitura que hoje é tão desprezado entre os nossos adolescentes, jovens e até adultos. Então eu acho que é um projeto que nasce para dar certo. Nós, da capital de Salvador, qualquer projeto que venha com a adesão de estimular a alfabetização e estimular a leitura, vamos aderir e estar juntos com eles. Eu acho que é um projeto exitoso”, acrescentou.

Na semana passada, o vereador Alexandre Aleluia (DEM) apresentou um Projeto de Lei com o intuito de vincular o Sistema Educacional de Salvador ao novo programa do MEC. O secretário disse ser “uma decisão acertada” e prometeu se reunir com o autor da proposta na Câmara Municipal (CMS).

“É uma decisão acertada. Eu vou até chamar o vereador Aleluia para a gente conversar sobre o assunto, mas eu acho que é importantíssimo a gente olhar isso junto com o Governo Federal. Qualquer estímulo que venha do Governo Federal para melhorar a educação, a gente tem que estar de braços abertos. A educação tem que ser tratada de forma suprapartidária. Não tem que ter partido A, B ou C. Nosso partido tem que ser melhorar a metodologia e melhorar a alfabetização das nossas crianças”, finalizou Barral.

Mateus Soares
Comentários