Foto: Reprodução/Facebook
20 de fevereiro de 2020 | 09:14

PMs desocupam quartel no Ceará após tiros que feriram ex-governador Cid Gomes

brasil

O governo do Ceará retomou na madrugada desta quinta (20) o controle do 3° Batalhão da Polícia Militar em Sobral (270 km de Fortaleza). Os manifestantes, policiais militares que reivindicam aumento salarial e seus familiares, ocupavam o local desde a noite de terça (18) e saíram antes da chegada do Batalhão de Choque da PM.

Na tarde de quarta-feira, o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi atingido por dois tiros quando tentou entrar no quartel dirigindo uma retroescavadeira. Ele está estável e internado no Hospital do Coração de Sobral e deve ser transferido ainda nesta quinta para Fortaleza.

A retroescavadeira usada por Cid ainda está na frente do quartel na manhã desta quinta-feira, quando será feita uma perícia no veículo que foi alvejado por tiros e também por pedras.

Sobral é a base eleitoral de Ciro Gomes e Cid, que apoiam o governador Camilo Santana (PT) e, nacionalmente, fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Cid foi governador do estado em momento semelhante de crise com a PM, em 2012.

Pelas redes sociais, Camilo Santana classificou como “inaceitável” o que chamou de “extrema violência” praticada “por um grupo de policiais mascarados, amotinados num quartel”. O governador petista informou que pediu reforços ao governo federal.

​”Reforço que já havia solicitado formalmente apoio de tropas federais para o Ceará aos ministros Luiz Eduardo Ramos e Sergio Moro, para uma ação enérgica contra essas pessoas que têm agido como criminosos. Esses crimes não ficarão impunes”, afirmou Camilo.

Antes de levar os tiros, o senador se dirigiu até o portão de entrada do batalhão tomado pelos PMs. Com um megafone, deu cinco minutos para que eles saíssem do local. Vídeo foi gravado por pessoas que estavam presentes.

“O movimento de vocês é ilegal. Vocês têm cinco minutos para pegarem os seus parentes, as suas esposas, os seus filhos e sair daqui em paz. Cinco minutos, nem um a mais”.

Depois de dar o ultimato, alguns manifestantes se aproximaram do portão gritando que ele não tinha autoridade para determinar a retirada e uma confusão começou.

Cid levou um soco e recuou. Depois da confusão ele subiu na retroescavadeira e avançou sobre o portão, quando levou os dois tiros, além de pedradas.

Desde a noite de terça-feira (18), PMs fazem motim contra a proposta de reestruturação salarial feita pelo governo Camilo Santana.

Em 2017, os ministros do Supremo Tribunal Federal confirmaram a proibição das paralisações de servidores que atuam na segurança pública. A regra serve para agentes das polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal, Ferroviária Federal e do Corpo de Bombeiros, além de funcionários das áreas administrativas.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estava reunido com o governador da Bahia, Rui Costa (PT), quando soube que Cid Gomes havia sido baleado.

Ele tentou, sem sucesso, ligar para o celular de Cid. Depois, entrou em contato com o ministro Sergio Moro (Justiça) e com o governador Camilo Santana.

“Acompanho com preocupação os desdobramentos do ocorrido com o senador Cid Gomes, na tarde desta quarta-feira (19), em Sobral, no Ceará. Entrei em contato o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e com o governador do Ceará, Camilo Santana, para obter informações e garantir a segurança do parlamentar”, disse Alcolumbre em nota.

Até esta quarta, três policiais foram presos e 261 eram investigados por participarem do motim no Ceará, que foi proibido na segunda (17) pela Justiça.

Em meio aos atos, dois batalhões foram atacados por homens encapuzados, que roubaram dez viaturas em uma das unidades e esvaziaram pneus dos carros em outra.

Folha de S.Paulo
Comentários