Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Luiz Fux, presidente do STF 18 de outubro de 2020 | 07:36

Início de Fux indica STF com mais julgamentos criminais, tensão com o Congresso e pressão nas redes

brasil

A inclusão rápida dos casos de André do Rap e de Chico Rodrigues (DEM-RR) na agenda do Supremo aponta que a gestão de Luiz Fux reservará boa parte das sessões do plenário para julgamentos criminais, o que não era comum com Dias Toffoli.

A decisão de tirar das turmas a análise de ações penais também vai reforçar esse movimento. Com os 11 ministros dedicados a julgar políticos com foro, com transmissão pública ao vivo, a tendência é de ter mais tensões entre o Supremo e o Congresso.

O novo formato também vai deixar o Supremo de novo suscetível a pressões da população e das redes sociais, como deve ocorrer no caso de Rodrigues.

Os ministros terão que julgar ainda no calor dos acontecimentos a polêmica decisão de Luís Roberto Barroso de afastar o parlamentar flagrado com dinheiro na cueca e entre as nádegas, depois de ampla repercussão.

A análise do caso do senador deve expor, até mais do que no episódio do chefe do PCC, as divisões da corte. O julgamento envolve a discussão sobre a separação entre os Poderes e medidas ligadas ao combate à corrupção.

Folha
Comentários