Foto: Reprodução/Instagram
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) entre o pedetista Ciro Gomes e o governador do Ceará, Camilo Santana (PT) 21 de novembro de 2020 | 10:20

Maia avança em aliança por sucessão na Câmara contra bloco bolsonarista de Lira

brasil

Mesmo em meio ao segundo turno das eleições municipais, lideranças políticas avançaram na última semana nas articulações para a sucessão na Câmara dos Deputados, marco do calendário político do início de 2021. Os movimentos mais claros da aceleração desse processo vêm do próprio presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que busca apoio para um candidato que tenha seu respaldo na eleição da Mesa Diretora em fevereiro. Esse grupo deve rivalizar com o encabeçado por Arthur Lira (PP-AL), que deverá contar com o apoio do presidente Jair Bolsonaro na disputa.

Maia foi ao Ceará na quinta-feira para uma reunião com o governador do estado, Camilo Santana (PT), e deputados do PDT e do PT na Câmara. No encontro, também estiveram presentes o senador Cid Gomes (PDT-CE) e seu irmão, Ciro Gomes, tido como possível candidato à Presidência daqui a dois anos. Na pauta estava a formação de um bloco capaz de unir partidos mais ligados ao centro e à esquerda na Casa.

Ontem, o presidente da Câmara fez novo movimento. Ele foi recebido em São Paulo pelo governador João Doria (PSDB), outro que mira a disputa para o Palácio do Planalto. Segundo aliados, conversaram sobre temas econômicos, mas também sobre a conjuntura política.

‘Embrião’ para 2022

Cid afirmou que há interesse mútuo em aglutinar na Câmara um bloco com partidos do que classificou como “centro progressistas” para apoiar o candidato indicado pelo grupo hoje liderado por Maia. O senador afirmou que ele e Camilo são a favor da ideia. Segundo Cid, esse bloco deve ser formado nas próximas semanas. E, para ele, pode ser até um “embrião” para as eleições presidenciais de 2022 dando suporte a uma candidatura contra o presidente Jair Bolsonaro.

“Não se falou em nomes, mas eu percebi (a disposição) e defendo que esse bloco seja um embrião para as eleições de 2022 para enfrentarmos Bolsonaro”, disse Cid Gomes.

Ao conquistar seu terceiro mandato consecutivo para o comando da Casa em 2019, Maia contou com os votos da esquerda e do Centrão. Uma nova candidatura não é permitida, apesar de o tema ainda estar em debate no Supremo Tribunal Federal (STF). Maia, então, tem buscado encontrar um nome para apoiar que consiga agregar votos. A ideia é ter alguém que mantenha uma posição de independência em relação ao governo nos próximos dois anos.

Até o momento, há três nomes mais cotados para representar na eleição interna o grupo que hoje é liderado por Maia: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Luciano Bivar (PSL-PE) e Baleia Rossi (MDB-SP). O presidente da Câmara, porém, ainda não decidiu quem terá seu apoio.

Um adversário nessa disputa está praticamente definido. O líder do maior bloco na Casa, Arthur Lira (PP-AL), um dos caciques do Centrão, articula seu nome desde o início do ano. Ele se alinhou ao presidente Jair Bolsonaro e tem agido como um líder informal do governo para angariar apoio da base do Planalto na Casa para a eleição de fevereiro.

A disputa entre Maia e Lira paralisou os trabalhos na Câmara nas últimas semanas. Lira desafiou o acordo feito no início do ano para a presidência da Comissão Mista de Orçamentos (CMO) do Congresso que previa colocar no posto Elmar Nascimento (DEM-BA), aliado de Maia. O parlamentar do PP afirmou que como o DEM deixou o bloco comandado por ele na Casa, o que ocorreu após seu alinhamento com Bolsonaro, cabia ao grupo indicar outro nome e, assim, tenta emplacar Flávia Arruda (PL-DF) no cargo.

A comissão, que deve fazer a análise do Orçamento de 2021, ainda não foi instalada e já há previsão que nem funcione mais, com o debate sendo realizado direto em plenário.

O conflito invadiu também a pauta da Câmara. Por causa do impasse, os partidos liderados por Lira entraram em obstrução no plenário em protesto. Isso paralisou a análise de matérias, já que a obstrução, prevista pelo regimento, de um grande número de deputados impede o quórum de votações de projetos importantes.

Além dos dois grupos, outros deputados correm por fora para disputar o comando da Casa. Entre eles estão Marcelo Ramos (PL-AM) e o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP). Antes tido como aliado de Maia, Ramos não foi incluído na lista de possíveis candidatos a serem apoiados pelo presidente da Casa. Assim, Maia deixou claro que não o considera aliado.

As informações são do jornal O Globo.

Comentários