Foto: Dida Sampaio/Estadão e Reprodução/Facebook
Os candidatos à prefeitura de Porto Alegre Manuela D’Ávila (PCdoB) e Sebastião Melo (MDB) 21 de novembro de 2020 | 08:00

Tensão aumenta na eleição em Porto Alegre

brasil

Integrantes das linhas de frente das campanhas de Sebastião Melo (MDB) e Manuela D’Ávila (PCdoB) acreditam que o brutal assassinato de um homem negro num supermercado de Porto Alegre deve acabar contaminando a reta final da disputa pela Prefeitura da capital gaúcha. Os candidatos correram para declarar repúdio à morte de João Alberto Freitas. Apesar de o efeito ainda ser incerto na eleição, ambos veem com cautela o episódio que tomou proporções nacionais. Pesquisas recentes mostram Melo à frente de Manuela.

Há temor entre apoiadores de Sebastião Melo (MDB) de que Manuela D’Ávila (PCdoB) aborde politicamente o episódio. Em especial, por conta do apoio recebido pelo emedebista do candidato derrotado no primeiro turno Valter Nagelstein (PSD).

Nagelstein foi muito criticado por ter dito: “Basta a gente ver a composição da Câmara, cinco vereadores do PSOL. Muitos deles, jovens, negros. (…) Sem nenhuma tradição política (…) e com pouquíssima qualificação”.

A campanha de Melo tenta afastá-lo ao máximo de Nagelstein. No perfil do emedebista nas redes sociais, internautas cobram a falta de reprimenda dele à fala do candidato derrotado. Apesar de não ser bolsonarista, Melo tornou-se o nome da direita na capital gaúcha.

A campanha do PCdoB, contudo, vê a tragédia com muita cautela e não planeja explorar eleitoralmente o episódio, porém não deixou de se manifestar. Manuela e Melo lamentaram publicamente a morte de João Freitas.

Manuela participou de uma reunião com a bancada negra de Porto Alegre. Melo cancelou suas agendas públicas em sinal de “luto” na sexta-feira (20).

Estadão
Comentários