Eduardo Salles

Agronomia

Eduardo Salles é engenheiro agrônomo e mestre em engenharia agrícola pela Universidade Federal de Viçosa, ex-secretário de agricultura da Bahia e ex-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri). Foi presidente da Associação de Produtores de Café da Bahia e também da Câmara de Comércio Brasil/Portugal e é, há 14 anos, diretor da Associação Comercial da Bahia. Ele escreve neste Política Livre quinzenalmente, às quartas-feiras.

Fortalecer o setor produtivo para gerar empregos

Há cinco anos vivenciamos a retração e a estagnação da economia. Temos no momento um dos piores índices de desemprego da história com quase 13 milhões de brasileiros sem trabalho e outros tantos milhões desalentados.

O ano de 2019 chegou com a expectativa de retomada de crescimento. Porém, até o momento os resultados estão muito abaixo do esperado. Some a esse quadro a perspectiva de um cenário internacional adverso por inúmeros fatores. Não há como negar que a situação é grave. O desemprego assola o país e é preocupação em quase todas as famílias brasileiras.

Tenho a chance de rodar os quatros cantos do Estado no exercício de minha atividade parlamentar e posso garantir que no interior a crise é gravíssima, com empresas e pequenos empreendimentos fechando as portas e as prefeituras e órgão públicos muitas vezes servindo como a principal fonte empregadora dos municípios.

Apoiar o setor produtivo é a receita correta para promover o crescimento e o desenvolvimento social. Não acredito em país forte sem um setor produtivo forte.

Foi para ajudar a termos um setor produtivo baiano cada vez mais forte que propus e os colegas deputados estaduais aprovaram a criação da Frente Parlamentar do Setor Produtivo: Agropecuária, Indústria, Comércio e Serviços. Os membros dos conselhos Consultivo, Jurídico e Parlamentar foram empossados neste mês de setembro.

O objetivo é estreitar a relação da Assembleia Legislativa da Bahia com quem gera emprego na Bahia e trazer experiências exitosas de outros estados. Queremos entender quais os problemas que têm emperrado o avanço das diversas atividades produtivas no nosso estado e desestimulado o empreendedorismo para tentarmos modificar e criar novas leis que possam estimular a geração de empregos e fazer uma ponte com os governos federal, estadual e municipais por meio de sugestões construídas neste Fórum.

Seremos a ligação entre o Legislativo, o setor produtivo e o Executivo, fazendo o dever de casa para levar aos deputados federais e senadores da bancada baiana subsídios para, caso seja necessário, propor modificações na legislação federal.

A Frente Parlamentar não tem coloração partidária. Terei a honra de presidir este Fórum, com o colega Tiago Correia na vice-presidência e outros 29 deputados estaduais compondo o Conselho Parlamentar.

Kelsor Fernandes, vice-presidente da FECOMÉRCIO, vai presidir o Conselho Consultivo, que conta ainda com a participação de presidentes da Associação Comercial da Bahia, CDL, FCDL, FIEB, FAEB, SEBRAE, ADEMI, Fórum do Turismo, ADEMI, ABQUIM, ASDAB, DESENBAHIA e os superintendentes regionais do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste do Brasil.

O Conselho Jurídico será composto por advogados de instituições que compõem o Conselho Consultivo.

Acredito muito que apenas com a união do setor público e privado poderemos gerar emprego e sair da crise. Tenho certeza que com o compromisso e qualidade de componentes dos conselhos Consultivo, Jurídico e Parlamentar conseguiremos apresentar resultados importantes para o crescimento dos setores agropecuário, industrial, comercial e de serviços.

Tenho certeza que o governador Rui Costa e o vice-governador e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, João Leão, junto à equipe do governo estadual, serão importantes parceiros da Frente Parlamentar nesta luta.

A Frente Parlamentar tem o desejo de produzir importantes frutos ao setor produtivo baiano. A partir de agora teremos muito trabalho pela frente, mas há em todos nós um desejo enorme de apresentar resultados que fortaleçam a economia baiana e ajude e gerar milhares de empregos.

Comentários