Foto: JF Diorio /Estadão
Recentemente sistematizado, Programa Social da instituição materializa estratégia para promoção do desenvolvimento territorial sustentável 02 de dezembro de 2020 | 15:00

Fundação Odebrecht disponibiliza sua Tecnologia Social para ser reaplicada

bahia

Seguindo o objetivo de construir uma sociedade mais responsável, harmônica, solidária e com igualdade de oportunidades para todos, a Fundação Odebrecht está disponibilizando a sua Tecnologia Social para ser reaplicada em outros contextos de desigualdades. Por meio da publicação “Como implementar o PDCIS”, seu Programa Social, a instituição apresenta a sistematização de um modelo para implementação de um programa social de desenvolvimento sustentável baseado em uma experiência com impactos comprovados.

Visando promover o desenvolvimento sustentável e tendo o jovem da zona rural como principal agente de transformação, a Fundação criou o PDCIS em 2003. O Programa vem sendo executado até hoje no Baixo Sul da Bahia, com resultados que fortalecem a agricultura familiar e reforçam o desejo dos beneficiários em permanecer no campo. Em 2018, com a maturidade do Programa, o PDCIS teve seu impacto avaliado por uma consultoria externa. Com rigor científico, foram atestados os reais impactos gerados na vida das famílias beneficiadas, mostrando que o Programa deveria ganhar escala e se tornar um modelo autossustentável a ser reaplicado.

Agora, sistematizado na publicação “Como implementar o PDCIS”, o Programa está pronto para ser reaplicado. “Ao disponibilizar nossa Tecnologia Social, damos o primeiro passo para a expansão responsável do nosso Programa se tornar uma realidade. Nosso objetivo é poder contribuir para o equacionamento de desigualdades sociais em outras regiões a partir de uma tecnologia que foi testada e validada”, explica Fabio Wanderley, Superintendente da Fundação Odebrecht.

Cristiane Nascimento, responsável por Sustentabilidade, Parcerias e Comunicação na Fundação Odebrecht, reforça que o trabalho de sistematização foi coordenado pela própria equipe da instituição e contou com a colaboração de diversos profissionais, entre eles uma equipe de revisoras da Edufba, editora da Universidade Federal da Bahia. “Nosso intuito é o de trabalhar de forma ampla a publicação junto ao poder público e iniciativa privada e suprir instâncias governamentais e institucionais passando a ser referência brasileira como modelo para o desenvolvimento e crescimento integrado com sustentabilidade, desejo antigo da Fundação Odebrecht”, diz.

A publicação, em sua versão de visibilidade, está disponível para toda a sociedade no site da Fundação Odebrecht. Para ter acesso à versão de reaplicação, destinada a gestores públicos, empresas privadas e suas lideranças, investidores e empreendedores sociais que desejem implementar o PDCIS de forma contextualizada às suas realidades, basta entrar em contato com a Fundação Odebrecht pelo e-mail [email protected]

Sobre a Fundação Odebrecht

Instituição privada, sem fins lucrativos, idealizada por Norberto Odebrecht em 1965, é uma das fundações empresariais mais antigas do país. Com o objetivo de promover o desenvolvimento territorial sustentável, criou e coordena, desde 2003, o PDCIS, Programa Social em andamento no Baixo Sul da Bahia que materializa uma estratégia pautada em seis frentes de atuação: Educação para o Desenvolvimento Sustentável, Desenvolvimento Econômico, Conservação Ambiental, Inovação e Tecnologia, Coesão e Mobilização Social e Cidadania e Governança. Voltado para regiões de vulnerabilidades sociais, o Programa tem como prioridade a formação de jovens e a criação de oportunidades para que eles e suas famílias possam viver no campo com acesso às políticas públicas, inclusão social, educação, trabalho e renda dignos, por meio do fortalecimento da agricultura familiar em harmonia com o meio ambiente. Assim, a instituição garante resultados de impactos conectando-se aos desafios globais da Agenda 2030, para o alcance das metas dos ODS da ONU, e às práticas de ESG das empresas com as quais se relaciona, no que se refere à medição da sustentabilidade e do impacto social dos investimentos recebidos.

Comentários