Frase do dia

Os que se dizem fortes destruíram o país.

MICHEL TEMER, EM ENTREVISTA AO JORNALISTA ROBERTO D’ÁVILA, NA GLOOBONEWS comentar

24 de março de 2017, 07:00

BRASIL Delator diz que avisou Marcelo Odebrecht sobre ‘volume insano’ de propina

Foto: Reprodução

Marcelo Odebrecht

O ex-chefe do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht Hilberto Mascarenhas afirmou ao ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que avisou Marcelo Odebrecht algumas vezes sobre o “volume insano” de movimentações financeiras realizadas pela empreiteira. “Vai dar problema um dia ou outro”, disse o executivo ao patrão. O depoimento do delator foi no âmbito da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) contra a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, reeleita em 2014. Ao contar sobre como temia pela segurança dos funcionários do setor responsável por efetuar pagamentos para agentes públicos de várias nacionalidades e em diversas praças bancárias do mundo, o executivo afirmou ter brigado muitas vezes com seus superiores por causa de solicitações para pagamentos em alguns países “impossíveis”. Dentro da estrutura do setor, disse Mascarenhas, Fernando Migliaccio gerenciava o trabalho das secretárias Angela Palmeira e Maria Lúcia Tavares, responsáveis por acionar os operadores que efetuavam os pagamentos em espécie no Brasil. Luiz Eduardo Soares, o Luizinho, seria o nome por trás das grandes operações no exterior. Como exemplo, o delator relatou um pagamento US$ 20 milhões solicitado para ser entregue em Angola. “O senhor não faz uma operação de US$ 20 milhões nesse mundo hoje. No mundo hoje, o senhor não faz. Então o senhor tem que criar vários caminhos para fazer esses pagamentos”, afirmou, ao detalhar as manobras financeiras utilizadas pelo setor. O delator citou a utilização de fundos de investimentos e transações entre contas dentro do mesmo banco e depois entre contas da mesma pessoa em bancos diferentes para que o dinheiro chegasse até o agente público sem despertar suspeita do compliance dos bancos. “Porque nós tivemos problemas de o banco chamar e dizer assim: tire a sua conta daqui, porque você está fazendo essa conta pagamentos diversos e eu sou um banco private”, contou. “O Luiz Eduardo vivia muito nisso, entendeu? Identificar novos bancos”, completou.

Estadão

24 de março de 2017, 06:55

BRASIL Alckmin recebe apoio do PTB para disputa em 2018

Foto: Agência Brasil

Roberto Jefferson

Único pré-candidato ao Palácio do Planalto da base governista que já está se movimentando abertamente para 2018, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) recebeu o reforço do PTB em seu “palanque”. Doze anos após ter o mandato cassado por sua participação no mensalão, do qual foi delator, o ex-deputado Roberto Jefferson (RJ), presidente nacional do PTB, e o secretário-geral da legenda, deputado Campos Machado (SP), disseram ao Estado que a questão está fechada no partido. Jefferson vai mudar seu domicílio eleitoral para São Paulo, por onde disputará uma vaga de deputado federal no ano que vem. O PTB tem 25 deputados federais e dois senadores. “A nossa aposta é no Geraldo. É um homem que conhece gestão e sabe administrar crises”, afirmou Jefferson. Questionado sobre a possibilidade de o prefeito João Doria ser o candidato tucano, Campos Machado foi categórico. “Nós só temos um candidato (a presidente), que é o Geraldo Alckmin. Se não for ele, lançaremos um nome do PTB na disputa”, disse o deputado estadual. O parlamentar contou, ainda, que tem levado parlamentares petebistas de todos os Estados para encontros com o governador e que Alckmin é a “primeira opção” para concorrer pelo partido caso não se viabilize no PSDB. “Eu, que sou secretário-geral do PTB, já estou aqui. Agora vem o presidente do partido. Mas o movimento é nacional. Já levei ao Palácio dos Bandeirantes deputados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Piauí e até o (senador) Armando Monteiro (PE). Estamos afinados com o Brasil inteiro”, disse Machado. Em São Paulo, o PTB já é um aliado antigo do PSDB, que governa o Estado há 20 anos.

Estadão

24 de março de 2017, 06:50

BRASIL Ex-assessor parlamentar confirma à PF que Serraglio participou de indicação de fiscal preso

Foto: Divulgação

Ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR)

Um ex-assessor do deputado Sérgio Souza (PMDB-PR) confirmou em depoimento à Polícia Federal que sete parlamentares peemedebistas, entre eles o atual ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR), indicaram o fiscal federal Daniel Gonçalves Filho, preso desde sexta-feira, 17, como um dos alvos centrais da Operação Carne Fraca, para o cargo no Ministério da Agricultura. Ronaldo Sousa Troncha procurou o delegado da Carne Fraca, Mauricio Moscardi Grillo, nesta quarta-feira, 22, espontaneamente para depor. “Próximo do ano de 2008 sete dos oito parlamentares (deputados federal), do Estado do Paraná ligados ao PMDB formalizaram a indicação de Daniel Gonçalves Filho para novamente assumir a superintendência regional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Paraná”, declarou Troncha. “Apoiaram esta indicação os deputados Moacir Micheletto, Max Rosenmann, Hermes Frangão Parcianelo, Osmar Serraglio, Odílio Balbinoto, dentre outros. Segundo o ex-assessor parlamentar, “apenas o deputado Marcelo Almeida, à época suplente do ministro Reinhold Stephanes, não teria participado da formalização da indicação” de Daniel Gonçalves Filho, superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná entre 2007 e 2016. A Carne Fraca aponta Daniel Gonçalves e Maria do Rocio Nascimento como os “líderes da organização criminosa”.

Estadão

24 de março de 2017, 06:45

BRASIL Delator revela repasses para ‘conta’ de Lula

Foto: Reprodução / YouTube

Lula

Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, apresentou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) documentos que apontam o detalhamento da suposta movimentação da conta-corrente do Setor de Operações Estruturadas – o departamento da propina – realizada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A informação consta de trechos das declarações divulgadas nesta quinta-feira, 23, pelo site O Antagonista. Entre os documentos está uma curta planilha em que aparece o codinome “Amigo”, que seria uma referência a Lula. A lista revela que, em 22 de outubro de 2013, o saldo de “Amigo” era de R$ 15 milhões. Já em 31 de março de 2014, o valor passou para R$ 10 milhões – não foi explicado o que foi feito com R$ 5 milhões. Ao falar sobre o gerenciamento da conta com recursos repassados para as campanhas de Lula e da presidente cassada Dilma Rousseff, Marcelo afirmou que foi o ex-presidente quem indicou o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci para ser o administrador da conta-corrente irrigada por recursos de caixa 2. “Eu falei com ela (Dilma)… Olha, presidente, em 2010, 2009, em 2010, eu falei: presidente, tudo eu estou tratando com o Palocci, era o meu combinado com o Lula, tá ok? Ela falou: Tá ok”, disse o delator. A assessoria de imprensa do Instituto Lula, por meio de nota, afirmou que não foi encontrado nenhum recurso indevido para o ex-presidente. “Lula jamais solicitou qualquer recurso indevido para a Odebrecht ou qualquer outra empresa para qualquer fim e isso será provado na Justiça.” “Lula não tem nenhuma relação com qualquer planilha na qual outros se referem a ele como ‘Amigo’.” O instituto disse que “não cabe comentar depoimento sob sigilo de Justiça vazado seletivamente e de forma ilegal.”

Estadão

24 de março de 2017, 06:40

BRASIL Lula volta a dizer que não disputa presidência do PT

Foto: Divulgação

Ex-presidente Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a dizer à direção nacional do PT, nesta quinta-feira, 23, que não vai disputar a presidência do partido. Desde que a possibilidade surgiu, no fim do ano passado, Lula já mudou de posição pelo menos três vezes, mas agora dirigentes do partido acreditam que a decisão seja definitiva. Setores da corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB), que pressionavam Lula a aceitar a presidência do partido já começaram a trabalhar o nome do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha como candidato à sucessão de Rui Falcão. Este grupo é encabeçado pelo presidente do diretório estadual do Rio de Janeiro, Washington Quaquá, e decidiu se antecipar à decisão de Lula para brecar o avanço do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), candidato à presidência do partido pelo Muda PT, grupo que reúne as cinco maiores correntes da esquerda petista. O nome de Padilha, no entanto, enfrenta oposição do núcleo dirigente da CNB, que ainda pretende insistir com Lula mas articula a candidatura do tesoureiro do partido, Marcio Macedo.

Estadão

24 de março de 2017, 06:35

BRASIL Marcelo Odebrecht diz que ‘inventou’ campanha de Dilma em 2014

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Dilma Rousseff

O ex-presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que “inventou” a campanha de reeleição da presidente cassada Dilma Rousseff, em 2014. As declarações constam do depoimento prestado pelo empreiteiro no dia 1.º deste mês, na ação que pede a cassação da chapa de Dilma e de seu vice à época, o presidente Michel Temer, por suposto abuso de poder político e econômico. O conteúdo do depoimento foi relevado nesta quinta-feira, 24, pelo site O Antagonista e confirmado pelo Estado. O juiz auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral Bruno César Lorencini mandou instaurar procedimento interno para investigar o vazamento de depoimentos. O magistrado atendeu a pedido da presidente cassada, que chamou as acusações de “levianas”. “A campanha presidencial de 2014, ela foi inventada primeiro por mim, tá?”, disse Marcelo ao ser questionado sobre sua relação com a reeleição de Dilma. “Os valores (de doações) foram definidos por mim”, afirmou o empresário, preso em Curitiba desde junho de 2015, em razão de investigações da Operação Lava Jato, que apura esquema de corrupção na Petrobrás. No depoimento, Marcelo disse que “não tem a menor dúvida” de que Dilma tinha conhecimento do pagamento de despesas de campanha com recursos de caixa 2, conforme o Estado antecipou na edição do dia 2. De acordo com o delator, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega foi o responsável por solicitar os repasses da construtora. Em maio de 2014, o empresário se encontrou com o “Pós-Italiano”, como Mantega era identificado nas planilhas do Setor de Operações Estruturadas, o departamento da propina da empresa. Na ocasião, foi informado de que os repasses prioritários deveriam ser para a campanha presidencial. “Marcelo, a orientação dela (Dilma) agora é que todos os recursos de vocês vão para a campanha dela. Você não vai mais doar para o PT, você só vai doar para a campanha dela, basicamente as necessidades da campanha dela: João Santana, Edinho Silva ou esses partidos da coligação”, relatou o delator. O empreiteiro afirmou que a presidente cassada nunca lhe pediu nada diretamente, mas tinha conhecimento dos pagamentos via caixa 2. “Dilma sabia da dimensão da nossa doação e sabia que nós éramos quem doá(vamos)… Quem fazia grande parte dos pagamentos via caixa 2 para João Santana”, disse. Santana foi o marqueteiro das campanhas de 2010 e 2014. Edinho foi o tesoureiro no último pleito. O empreiteiro afirmou que parte dos débitos feitos a Santana se referia ainda às dívidas de campanha de 2010. A Lava Jato identificou pagamentos a Santana e sua mulher, Mônica Moura, por meio de contas não declaradas no exterior. Ambos tentam acordo de colaboração como Ministério Público Federal (MPF).

Estadão

24 de março de 2017, 06:30

BRASIL Manchetes do Dia

- A Tarde: Terceirização agrada empresário, mas preocupa trabalhador

- Correio*: O que muda na vida do trabalhador

- Tribuna da Bahia: Goleada histórica

- Estadão: Senado articula versão mais branda para terceirização

- Folha de S. Paulo: Dilma sabia de caixa dois, afirma Marcelo Odebrecht

- O Globo: Terceirização deve aumentar emprego

23 de março de 2017, 21:40

BRASIL Odebrecht comprou tempo de TV para chapa Dilma-Temer, diz delator

Foto: Divulgação

Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht Alexandrino Alencar disse que a empreiteira pagou um total de R$ 21 milhões em dinheiro vivo a três partidos políticos para comprar tempo de TV para a chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) em 2014. O dinheiro, proveniente de caixa 2, foi entregue em hotéis e flats.Conforme antecipou o Estado, Alexandrino Alencar disse ao TSE que a empreiteira pagou R$ 7 milhões para cada um desses três partidos: PROS, PCdoB e PRB, em um total de R$ 21 milhões. A reportagem obteve nesta quinta-feira (23) a íntegra do depoimento do ex-executivo da Odebrecht, mantido sob sigilo.De acordo com Alencar, cada um desses três partidos eram chamados por codinomes: PROS era “onça”; PC do B, “vermelho”; e PRB, “doutor”.“Eram inicialmente cinco partidos que houve essa demanda para gente contribuir via Caixa 2, e eu fiquei encarregado de três partidos. Então, três partidos foram feitos por mim, a saber: o PROS, o PCdoB e o PRB”, informou Alencar ao ministro Herman Benjamin, relator da ação que apura se a chapa Dilma-Temer cometeu abuso de poder político e econômico para se reeleger em 2014. Os outros dois partidos do bloco, PDT e PP, tiveram tratativas conduzidas por outros executivos da empreiteira, segundo o relato do delator.De acordo com Alexandrino Alencar, a demanda surgiu do então tesoureiro da campanha de Dilma, Edinho Silva (PT), em reunião ocorrida em 11 junho de 2014, com a presença de Marcelo Odebrecht. O encontro ocorreu no escritório da empreiteira. De acordo com o delator, Edinho chegou com a proposta pronta dos valores a serem acertados e a indicação de que o pagamento seria feito via caixa dois.Questionado pelo ministro Herman Benjamin se havia ficado claro os termos do pedido, Alexandrino foi categórico: “Sim, para a compra dos partidos. E tanto é, depois quando eu contatei as pessoas que o Edinho me solicitou pra falar, era claramente uma compra do tempo de TV, que, se não me engano, isso deu, aproximadamente, 1/3 (um terço) a mais de horário de TV para a chapa.”Fontes que acompanham as investigações consideram o depoimento de Alexandrino Alencar um dos mais delicados para Dilma e Temer, já que em 2015 o TSE mudou a sua jurisprudência e passou a reconhecer a compra de apoio político como uma forma de abuso de poder econômico.

Estadão Conteúdo

23 de março de 2017, 21:17

BRASIL Cantor Arlindo Cruz acorda do coma após uma semana internado

Arlindo Neto, filho do sambista Arlindo Cruz, confirmou nas redes sociais nesta quinta-feira, 24, que o pai acordou. “Arlindão acordou, minha mãe pediu para ele abrir a boca e ele malandramente obedeceu a sua esposa. Obrigado por mais essa bênção, Senhor”, escreveu ele. De acordo com boletim médico divulgado na última terça-feira, 22, o músico estava sedado, mas aos poucos, com a redução do medicamento, apresentou alguns sinais de consciência.Os médicos ainda informaram que o estado de saúde continua grave porém estável, e que o processo de redução do sedativo ocorre de forma cautelosa e de acordo com planejamento terapêutico. O artista passou mal em sua casa na última sexta-feira, 17, e foi resgatado pelos Bombeiros.

Estadão Conteúdo

23 de março de 2017, 21:01

BRASIL Randolfe diz que vai entrar com mandado de segurança no STF contra terceirização

Foto: Divulgação

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que vai entrar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira, 24, contra o projeto de lei que regulamenta a terceirização, aprovado na quarta-feira, 22, na Câmara. Através de um vídeo no Facebook, Randolfe classificou a proposta como ilegítima e ilegal.”A razão é simples. Esse projeto foi encaminhado pelo Executivo ao Legislativo em 1998. No ano de 2003, o Executivo pediu a retirada do projeto. Quase 20 anos depois, a Câmara, em uma manobra espúria, bota a matéria para ser apreciada. Como poderia ser votada uma matéria pelo Legislativo desde que o Executivo solicitou a sua retirada?”, questionou. Randolfe repudiou a proposta aprovada pelos deputados. “Foi o mais grave golpe na classe trabalhadora nos últimos cem anos. Ontem (quarta), a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), a mais importante conquistas dos trabalhadores, na prática foi derrogada. O projeto praticamente criminaliza o direito de greve reduz direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores, precariza o trabalho, atinge desde os trabalhadores da iniciativa privada até os servidores públicos”, criticou.

Estadão Conteúdo

23 de março de 2017, 20:43

BRASIL Azi é eleito presidente da Comissão de Turismo da Câmara

Foto: Divulgação

O deputado federal Paulo Azi (DEM) é o novo presidente da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados. O parlamentar, eleito nesta quinta-feira (23), foi escolhido para ocupar o lugar de Herculano Passos (PSD-SP).”O Brasil com tantas belezas naturais precisa ter o turismo como uma das suas principais atividades econômicas. Na comissão vamos procurar dar a nossa contribuição para destravar o setor”, disse o deputado. Azi já atua pelo setor e é o autor do Projeto de Lei 5163/2016, que pretende autorizar o Fundo Geral do Turismo (Fungetur) a financiar a construção de empreendimentos turísticos no Brasil. O parlamentar é engenheiro civil e administrador e foi eleito deputado federal após três mandatos consecutivos de deputado estadual.

23 de março de 2017, 20:32

BRASIL Maggi visita planta da BRF acompanhado por representantes da imprensa chinesa

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, encerrou nesta noite de quinta-feira, 23, uma visita à planta da BRF em Rio Verde (GO) acompanhado por representantes da imprensa chinesa. “Uma imagem vale mais do que mil palavras”, disse ele. O ministro acrescentou que, de acordo com técnicos da fábrica, é a primeira vez que aquela linha de produção foi visitada por jornalistas, inclusive com uso de câmeras. “Quando estamos numa guerra, as posições são flexibilizadas”, comentou o ministro. Em tempos normais, acrescentou ele, tal visita não seria possível. A planta visitada exporta para a China e emprega cerca de 7.000 pessoas. A China suspendeu temporariamente o desembaraço aduaneiro das cargas de carne brasileira que chegam ao país. A restrição atinge não apenas os 21 frigoríficos que foram alvos da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, mas todos os estabelecimentos que exportam para aquele país. “O embargo, ainda que temporário, nos deixa bastante preocupados”, comentou o ministro.Ele acrescentou que as investigações da operação Carne Fraca não são sobre a qualidade dos produtos brasileiros, e sim o comportamento de pessoas ligadas ao ministério que acabaram “criando um grande problema para o Brasil”. “Não se discute a validade da operação”, afirmou o ministro. Ele acrescentou que é necessário separar as questões de saúde do que é corrupção.

Estadão Conteúdo

23 de março de 2017, 20:16

ECONOMIA Caixa anuncia novas condições para uso do rotativo do cartão de crédito

A Caixa Econômica Federal anunciou as novas condições para uso do rotativo do cartão de crédito, com vigência a partir de 3 de abril. De acordo com nota divulgada pelo banco, atendendo às exigências do Conselho Monetário Nacional (CMN) que limitam o uso do rotativo pelo período máximo de 30 dias, o valor não liquidado integralmente da fatura anterior estará totalmente contido no saldo para pagamento mínimo da próxima fatura.A Caixa manterá as opções vigentes para o pagamento da sua fatura mensal, ou seja, o valor mínimo, o valor total ou qualquer valor entre o mínimo e o total e, a partir do vencimento do dia 3/5/2017, terá ainda mais seis possibilidades de parcelamento do valor da fatura: em 4, 8, 12, 16, 20 ou 24 meses, à escolha do cliente. As taxas incidentes nas opções de parcelamento variam de 3,30% ao mês a 9,90% ao mês.A Caixa também oferecerá a opção do parcelamento automático do valor da fatura, que ocorrerá quando o cliente pagar qualquer valor abaixo do pagamento mínimo e diferente das seis opções de parcelamento citadas.”A Caixa estará totalmente adequada à nova sistemática para o produto cartão de crédito. A partir do dia 3 de abril, a rede de agências e Centrais de Atendimento telefônico estarão disponíveis para dirimir eventuais dúvidas dos clientes”, afirmou o diretor executivo de Cartões da Caixa, Márcio Recalde.

Estadão Conteúdo

23 de março de 2017, 20:01

Festival da Cidade começa neste final de semana em Salvador

Muitos são os destaques desta 5° edição do Festival da Cidade. Mas como sempre os grandes shows não podem ficar de fora da festa. No primeiro fim de semana, a programação musical está garantida no Rio Vermelho, Ribeira, Santo Antônio Além do Carmo, Pelourinho e São Caetano.Os shows começam no sábado (25), com a apresentação dos DJs George Ferreira e Santz, que farão uma verdadeira boate ao ar livre, no Mirante do Rio Vermelho, a partir das 18h. A Ribeira recebe, na Praça Dodô e Osmar, a dupla Juan e Ravena, o pagode do grupo Batifun e o arrocha da banda Asas Livres. Já o Largo de Santo Antônio Além do Carmo terá uma noite ao som do melhor da música instrumental da Bahia: os grupos Janela Brasileira e Chorinho Amigos da Madragoa fazem a festa para o público da região.No domingo (26), a música volta no São Caetano, onde o forró vai animar a todos e colocar os casais para dançar e curtir ao som da banda Flor Serena, que toca em cima da Rural Elétrica em desfile feito em volta da Praça ACM. Além disso, o Pelourinho recebe o projeto “Concerto nas Igrejas”, durante a manhã do domingo, o espetáculo musical acontece na Igreja Rosário dos Pretos e quem toca é o Coral Ecumênico da Bahia.

23 de março de 2017, 19:43

SALVADOR Prates representa Câmara em inauguração de sede do MPT

Foto: Divulgação/Antonio Queirós

O presidente da Câmara de Salvador, vereador Leo Prates (DEM), representou o Poder Legislativo Municipal na solenidade de inauguração do novo prédio da sede do Ministério Público do Trabalho (MPT) na Bahia. O evento aconteceu no Corredor da Vitória, na tarde desta quinta-feira (23). Na oportunidade, o Memorial do Trabalhador, no Centro Cultural do MPT, também foi aberto para o público. De acordo com Leo Prates, além de um espaço de visitação para a população, com obras de arte e material histórico sobre as relações de trabalho na Bahia, a modernização das instalações do MPT permitirá que procuradores atuem de forma mais adequada, aprimorando cada vez mais os serviços prestados à sociedade.As duas obras foram realizadas com recursos de emendas de bancada no Congresso Nacional, dentro do prazo inicial previsto e sem custo extra. Para o procurador-chefe do MPT na Bahia, Alberto Balazeiro, as duas realizações “mostram a força de uma ação coletiva e articulada, que envolve o comprometimento de servidores e de prestadores de serviço”.